Assassin´s Creed Renascença

mmPostado por

Quem costuma jogar video game deve já conhecer a saga Assassin’s Creed. Lançada em 2007, ela começou por causa de um outro famoso jogo da década de 90 chamado Prince of Persia. Durante a criação de Prince of Persia: The Two Thrones, em 2005, muito da pesquisa e  do material para o desenvolvimento de jogo, sobre As Cruzadas, serviram de inspiração, em paralelo, para o desenvolvimento de Assassin’s Creed.

Mas eu meio que fui na contra-mão dessa jornada eletrônica, indo primeiro para a jornada literária, lendo o primeiro livro adaptado da franquia de jogos: o Assassin’s Creed Renascença.

Assassin's Creed Renascença

Mas primeiro vamos entender a ordem cronológica dos livros e a dos jogos.

O tempo das histórias dos livros é contado de maneira diferente da dos jogos. O primeiro jogo conta a história de Desmond, um bartender que é sequestrado e inserido em uma máquina que promete ler através de suas memórias as memórias de seus antepassados porque pessoas mal intencionadas queriam descobrir a localização de artefatos sagrados, que os antepassados de Desmond tinham conhecimento, que dariam a quem as possuíssem um poder sobrenatural.

Desmond faz parte da linha de descentes da Ordem dos Assassinos, um grupo que luta pela preservação e proteção desses artefatos, especialmente contra um outro grupo de caráter e intenções duvidosas, chamado Os Templários.

Um dos mais importantes membros da Ordem dos Assassinos se chama Ezio, nascido em Florença, na época da Renascença, retratado no livro escrito por Oliver Bowden, que é um pseudônimo de Anton Gill, historiador e escritor inglês, que escreveu um série de livros adaptados das histórias de Assassin’s Creed.

Agora sim, vamos a Assassin’s Creed Renascença

Ezio pertencia à família dos Auditore, tradicional na Florença. Seu pai cai em uma armadilha política e é acusado injustamente de traição ao governo e condenado à morte, sendo enforcado junto com seus filhos homens. No momento da prisão do seu pai e seus irmãos, Ezio não estava em casa e ao procurar seu pai na torre do calabouço recebe dele a missão de encontrar importantes peças para um quebra-cabeça.

Ao descobrir que era membro da Ordem dos Assassinos, decidiu por lutar por justiça pela sua família  contra Os Templários, que fazem parte de importantes posições do governo e do clero. Aos poucos ele vai descobrindo também um propósito ainda maior e decisivo para o futuro da humanidade em sua missão de vida.

O que eu achei do livro

Se tem uma palavra que define o meu sentimento ao terminar de ler Assassin’s Creed Renascença foi surpresa. Eu não esperava que uma adaptação de um video game fosse tão bem escrita, rica em detalhes e que pudesse prender a minha atenção do começo ao fim. Cada personagem é imprescindível à trama que é cercada de muita ação e também romance e uma boa dose de filosofia.

O livro me fez ficar com vontade de jogar o jogo então acho que conta pontos a favor. Já estou ansiosa para a próxima leitura.

One comment

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *