Kelly Clarkson – Meaning of Life: #EuOuvi

mmPostado por

Tem uns meses atrás que eu falei sobre o programa The Voice USA e o quanto eu ficava pasma com o talento dos candidatos e na harmonia dos quatro jurados (Blake Shelton, Adam Levine, Alicia Keys e Kelly Clarkson) vendo eles se divertindo juntos. Kelly Clarkson sabe como ninguém como é esse processo e a ansiedade que é em busca do próximo grande nome da música, já que ela participou de um desses programas, o American Idol.

Kelly Clarkson: um ídolo americano

Aqui no Brasil ele ganhou o nome de Ídolos e o formato é quase o mesmo do The Voice, exceto que ao invés de cadeiras girando, os jurados falam se a pessoa vai ou não para Hollywood para começar as próximas etapas de classificação.

Kelly participou do American Idol de número 1, lá no ano de 2002. De lá pra cá ela veio construindo uma carreira sólida, com direito a dois Grammys em sua estante, álbuns de sucesso e músicas que viraram verdadeiros hits, como Since U Been Gone.

Um desses álbuns que venho escutando muitas e muitas vezes é o mais recente, de 2017, chamado Meaning of Life, considerado pela Rolling Stones um dos 20 melhores álbuns de pop daquele ano. Meaning of Life tem um pouco de rock e pop, mas sua essência é o r&b, acompanhado de letras que falam de amor próprio, amor perdido, amor encontrado, enfim. É um álbum que retrata muito a experiência acumulada das pessoas no alto dos seus 30 e poucos, que é o caso de Kelly.

Mas vamos as músicas de Meaning of Life!

Kelly Clarkson Meaning of Life

1. A Minute (Intro)

Sim, é um intro mesmo. Um breve porém marcante panorama do que esperar para esse álbum. Em beats que seguem seu flow, acompanhados pelo timbre de Kelly, que é UM TIMBRE.

Sometimes I need a minute just for me
I need a minute just to be
I need a minute just to breathe

2. Love So Soft

Também tem essa pegada r&b com aquelas batidas de mãos bem características. Parece que tem um estilo meio The Supremes mas com uma melodia mais atual, como a paradinha que acontece antes do refrão que lembra aquelas baladas r&b, e depois segue com um trombone que deu o tom para essa música.

3. Heat

Essa música tem um pouco do estilo dos álbuns anteriores de Kelly, puxado para o pop, acompanhado de segundas vozes, assim como Love So Soft, que parecem quase como um coral que clamam por mais calor, por favor. Porque a letra é essa, um pedido para resgatar o amor antigo que tá indo para o morno e quando isso acontece, é melhor rever a receita antes que esfrie e desande de vez.

4. Meaning of Life

A música que leva o nome do álbum é uma balada forte, especialmente pela força da bateria que dita a melodia. E no decorrer da canção, as batidas vão ganhando vozes que também lembram um coral como a música Heat. É uma balada para você ficar escutando e suspirando.

5. Move You

Também segue o estilo balada, com a mesma batida intensa da bateria mas pra mim pareceu mais uma balada estilo anos 80. Especialmente o som da guitarra, que me fez recordar de Every Breath You Take, do The Police. A letra da banda comandada por Sting fala de uma pessoa que praticamente suplica pelo amor de outra, Move You traz em sua poesia, um pedido parecido mas diferente, onde um espera uma transformação na vida do outro.

6. Whole Lotta Woman

Essa música é um hino bem ao estilo Confident, de Demi Lovato.  Daquelas mulheres confiantes, que sabem o que querem, não tem medo de ir atrás e sabe que vão conseguir. Começa com um som do pandeiro, típico das músicas r&b dos anos 60 e vai seguindo com uma batida ritmada da bateria e dos beats.

I’m a whole lotta woman
(From the way I walk and toss my hips)
I’m a whole lotta woman
(From the sound to my voice to the gloss on my lips)
I said I’m a whole lotta woman
(Anything I see I want, I get)
I’m a strong, badass chick with class and confidence

7.Medicine

Essa música tem um baixo bem característico que se completa com o coral de vozes, com os beats e um pandeiro tímido mas que cumpre seu papel. É aquela canção que celebra o fim de um amor com muita festa. Mesmo.

Bet you won’t like to hear that
Since we’ve been over got that stress off my back
I’m living my life like a celebration
Changed up my vision like a revelation

8. Cruel

Já essa próxima é outra baladinha que usa bastante bateria, baixo e segundas vozes mas onde o recado é “não seja tão cruel. Eu amo tanto você e você parece que não me ama tanto quanto eu te amo”. Quase parece um blues tamanha a carga de emoção.

9. Didn’t

Tem um beat que particularmente gostei muito, principalmente produzido pelo baixo. Nessas últimas canções tem um presença bem forte do baixo. É aquela batida que você fica sacudindo a cabeça tentado seguir a melodia. Continua com a pegada r&b que se tornou a marca registrada de Kelly nesse álbum.

10. Would You Call That Love

Tem uma produção que me lembrou um pouco as músicas românticas das cantoras de r&b dos anos 90, que dessa vez vi o piano como condutor.

11. I Don’t Think of Tou

O piano mais uma vez ganha destaque junto com a voz poderosa de Kelly. Pareceu também um pouco as baladas românticas das cantoras de r&b dos anos 90, como Mariah Carey, que também sempre gostou de usar melodias no piano com segundas vozes femininas ao fundo. A canção vai ganhando impacto quando aparecem violinos.

12. Slow Dance

Bem ritmado na bateria, que ganha a companhia dos pratos e de um teclado, ao invés do piano para ficar com aquele ar de canção bem smooth, cara do r&b dos anos 60. A voz de Kelly aqui é bem aveludada, quase que sussurrando. O solo de guitarra, que é tão delicado quanto, deu o toque final. Pra mim se tornou uma das minhas favoritas.

13. Don’t You Pretend

Como eu gosto de música que começa com estalar de dedos! Don’t You Pretend começa bem calminha e depois vem com o impacto de uma bateria e de trompetes para depois voltar a ser calminha. É uma montanha-russa de ritmos e vozes, que parece seguir com a montanha-russa de sentimentos da letra, onde uma pessoa fala para outra parar com o orgulho e a vaidade e se entregar um ao outro ao sentimento de uma vez por todas.

14. Go High

O álbum fecha com chave de ouro, com a minha canção favorita: Go High. É uma mistura de beats com uma melodia mais contemplativa, com direito a tudo: bateria, estalar de dedos, piano, coral e claro a voz de Kelly Clarkson que aqui é usada a mil pulmões para a mensagem dessa canção: que a perseverança vale a pena.

But I won’t give up
I’ll keep giving love
Runs through my blood
I’ll never give up

Meaning of Life é um novo capítulo na vida profissional e pessoal de Kelly Clarkson pois é o primeiro álbum lançado por outra gravadora que não a RCA Records, onde ela esteve por 15 anos por conta de seu contrato com o American Idol.

Percebemos que o pop continua mas dessa vez Kelly dita as regras e deixa seu gosto musical ganhar vez. É um álbum que vale a pena escutar não só pelo bom trabalho feito musicalmente mas pela beleza que é ver uma pessoa resgatando sua autonomia e dando voz à liberdade.

Deixe seu comentário

Seu e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão com *