Estreia Festival Multiplicidade 2025: #EuFui

mmPostado por

Música é algo que sempre fez parte da minha rotina. Para mim é muito difícil passar um dia sem escutar alguma canção no Spotify. Então quando soube da nova edição do Festival Multiplicidade tive que ir lá para conferir.

A ideia surgiu em 2008 e vem levando para o Oi Futuro instalações, experiências e performances artísticas que unem som e tecnologia. Desde então o Festival Multiplicidade já realizou diversas apresentações em vários lugares do Rio como o Oi Casa Grande, Centro de Artes Hélio Oiticica e o EAV Parque Lage.

As batidas do coração se misturam com o som ambiente

O que achei interessante é que durante um tempo os artistas e engenheiros são convidados a fazer do Oi Futuro sua “casa criativa”. Lá eles têm a chance de pensar em diferentes formatos e construir instalações inusitadas. Tudo para fazer com que música e tecnologia vivam em harmonia e produzam, juntas, algo inovador Ao longo desses 12 anos de existência mais de 700 pessoas puderam apresentar suas criações para um público de mais de 50 mil pessoas.

Com isso surgem atrações impressionantes que usam de melodia, software, hardware, ritmo e a uma boa dose da ginga brasileira. Nas palavras de Batman Zavareze, curador festival: “O desafio do Festival Multiplicidade é expandir e proporcionar panoramas que estimulem olhares tanto para os artistas e para o público.”

No dia de estreia puder assistir a uma performance incrível da Quasi-Orquestra. Formada pelo maestro Rafael Barros de Castro, a arregimentadora Gretel Paganini e vinte músicos de instituições como a Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal, Orquestra Sinfônica Brasileira, Orquestra Sinfônica da UFRJ e Orquestra Sinfônica Nacional, o coletivo fez um apresentação linda no Térreo e depois se espalhou por todo o prédio do Oi Futuro, onde foram conduzidos pelo celular.

Apresentação Quasi-Orquestra

O resultado foi uma música forte, intensa e cheia de esplendor ecoando por todo o ambiente. Eu conseguia ver como todos estavam ao mesmo tempo maravilhados e prestando muita atenção. Inclusive as crianças. Era um silêncio impressionante para que todo mundo pudesse escutar cada nota.

Apresentação Quasi-Orquestra Festival Multiplicidade

Até o dia 11 de novembro serão feitas novas apresentações com novos artistas com direito a cinema 360º, scanner 3d, realidade virtual (VR), inteligência computacional, mapping, imersão sonora, e live cinema. O Festival Multiplicidade vai se encerrar esse ano com um mega evento na Zona Portuária com direito a, além de muita música e tecnologia, comidinhas com food trucks.

Livro do Festival Multiplicidade – Ano_20

Para conferir a programação completa, é só ir no site do Festival Multiplicidade.

Salvar

Deixe seu comentário

Seu e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão com *