Vai Lá e Faz: #EuLi

mmPostado por

Aprender a desaprender para reaprender”. Essa frase diz muita coisa, especialmente para quem quer empreender ou correr atrás de um sonho. Lendo o livro Vai Lá e Faz, de Tiago Mattos pude entender bem o core por trás dessa frase. E como ela faz todo o sentido do mundo.

Eu conheci o Tiago através de um amigo, que sabe como ninguém como correr atrás do que acredita, e quando soube do lançamento do livro na Livraria Travessa de Ipanema, não pensei 2 vezes em dar um pulo lá.

Antes de falar do livro, vou falar um pouco do autor. Tiago Mattos é uma daquelas pessoas que não espera que as coisas aconteçam. Ele faz acontecer. Ele é co-fundador da Perestroika, a escola criativa que já rendeu um post por aqui. A ideia de criar um novo conceito de ensino, através do compartilhamento de ideias, nasceu durante uma palestra na Singularity University, no Vale do Silício.

Desde então Tiago, além da Perestroika, embarcou em outros desafios, tão bem sucedidos quanto: Professor da Universidade Hebraica de Jerusalem (TIP) e colaborador da Singularity University.

Agora que apresentei o autor, vamos ao livro. Vai Lá e Faz é uma daquelas leituras que faz você rever muita coisa e querer colocar em prática as novas ideias que estão em ebulição na sua cabeça, a cada virar de página.

Acredito que um dos objetivos principais do livro pode parecer até óbvio demais mas é realmente levar você a tirar as ideias do papel. Tem uma frase lá que diz muito sobre isso: “um planejamento estático não funciona em um sistema dinâmico.”

A gente aprendeu desde cedo a viver em um sistema estático apesar do mundo nos mostrar que estamos em um sistema dinâmico. Um dos maiores exemplos está em nossa forma de ensino que é a mesma desde os tempos da Revolução Industrial. E o no livro Tiago até mostra o quanto é preciso mudar. O ensino tradicional era baseado no sistema industrial, isso porque queriam que as pessoas aprendessem desde cedo como funciona o sistema.

Sabe o uniforme, as regras de horário e como as informações eram passadas sem muitos questionamentos? Então. Seria assim também depois que essas crianças se tornassem adultas e passassem a trabalhar nas fábricas. Confesso que fiquei com uma expressão de “Caramba! É isso mesmo!” quando terminei de ler essa parte.

Sendo assim, se você parar para pensar, o crescimento da vontade de empreender nesses últimos anos, está ligado com a chegada Revolução Digital. Agora a gente não está mais com tanto receio em tentar e quer ir lá e fazer.

Amei a dedicatória!

Tudo começa com uma vontade, depois uma inspiração e aí a ideia. Mas para a ideia virar um protótipo, depois um projeto, que vira um negócio e enfim, uma empresa, é preciso o que? Executar.

Para isso tem algumas dicas bem legais no livro:

Matriz da Ideia

8 perguntas diretas, sem rodeios:

Qual o problema que você tá resolvendo?

Quem costuma ter esse tipo de problema? (ou seja seu público-alvo)

Ideia – Explique em 140 caracteres. Não precisa ser detalhista nessa hora, é só mostrar por A+B como você vai resolver o problema.

Grana – Como você vai ganhar dinheiro? Explique de forma direta.

Notícia – O que você vai fazer que ninguém ainda fez? O que você tem de especial que ninguém tem?

Você – Por que você é a pessoa certa para colocar essa ideia em prática?

VLEF (Vai Lá E Faz) – O que você precisa para começar? Um e-commerce? Um post no Facebook para divulgação? Uma cozinha industrial?

Impacto Positivo – Sua ideia contribui para fazer do mundo um lugar melhor?

Depois de respondida (e bem respondida!) essas perguntas, tem outra dica bem legal do Tiago:

O Ciclo 3.3.3.3

Criar 3 MVPS (Produto Minimamente Viável – ou o protótipo), em 3 semanas, recolher pelo menos 3 feedbacks e pedir 3 favores para quem puder ajudar você no seu projeto.

Por quê 3 MVPs?

O MVP1 para colocar sua ideia na pratica, o MVP 2 para corrigir falhas e acrescentar novas ideias à sua ideia e o MVP3 para reunir o melhor do MVP1 e MVP2.

Essas são apenas algumas das propostas de Tiago para você ir lá e fazer. O resto você vai ter que descobrir no livro e claro, em você mesmo. Só posso dizer uma coisa, aliás 2 coisas.

A primeira, dita por mim: Vale a pena!

A segunda, dita por FM Alexander: As pessoas não decidem seu futuro. Elas decidem seus hábitos – e seus hábitos decidem seus futuros.

Então, #vailáefaz!

Deixe seu comentário

Seu e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão com *