Fale Conosco com Júlia Rabello no GNT: #EuVi

Bárbara Gaia

22 de setembro de 2017

A internet trouxe não só a possibilidade de produzir conteúdo, como a liberdade de qualquer um comentar sobre esses conteúdos. E foi aí que a GNT teve uma sacada sensacional. Que tal uma série que comenta os comentários vindos das redes sociais sobre os programas da grade? Assim nasceu o Fale Conosco sob o comando da engraçadíssima Júlia Rabello .

Fale Conosco - Rodrigo Hilbert
Imagem: YouTube

No começo era uma websérie no YouTube mas o público começou a gostar tanto que virou um programa na GNT.  A cada episódio Júlia e um convidado olham os comentários mais peculiares encontrados nas redes sociais do canais da Globosat.

Eu comecei acompanhando pelo YouTube e sempre ri muito assistindo. O primeiro episódio que eu vi foi com a Fernanda Paes Leme, que tanto ela quanto seu programa ficaram na berlinda. Esse Fale Conosco já começa engraçado com Fernanda quase caindo da cadeira.

Pensando nisso voltei com a linda lista TOP 5, que eu amo fazer, com os melhores momentos de Fale Conosco (na minha humilde opinião):

Fale Conosco do Desengaveta com Fernanda Paes Leme

Claro que o primeiro da lista seria o primeiro que assisti e fez com que eu acompanhasse depois todos os outros. Nesse episódio Fernanda e Júlia falam dos comentários a cerca do programa Desengaveta. Para quem não conhece, o programa convida uma celebridade a se desfazer de algumas peças do seu guarda-roupa. Depois disso as peças são vendidas e o dinheiro vai para uma instituição.

Esse Fale Conosco rendeu pérolas maravilhosas como a discussão sobre a “risada forçada” de Fernanda. Ela respondeu, sem pensar duas vezes: “Ela é alta, ela é estranha, ela é à prestação. Mas é a minha risada”. 🤣

Fale Conosco com Caio Braz

Caio Braz ganhou notoriedade através do seu blog de moda e hoje apresenta, ao lado de Lilian Pace, o GNT Fashion. Sua participação em outros programas rendeu vários comentários nas redes sociais, dignos do Fale Conosco. O bate papo foi tão descontraído e divertido teve até improvisação de uma musiquinha falando do Guiga, assistente de Júlia.

Fale Conosco com Claude Troisgros

O chef Troigros e seu fiel escudeiro, Batista, foram convidados a responder os comentários.  Dessa vez Júlia teve que sair da sua zona de conforto provando uma receita feita por Troigros. A parte de sair da zona de conforto se explica. Logo no começo ela confessa que tem paladar infantil e é chata pra comer certos alimentos.

Fale Conosco Gabriel Louchard 

O mágico, comediante e agora apresentador do Multishow, com o seu programa Truque de Humor, foi  a bola de vez. Nunca ri tanto em um episódio do Fale Conosco! Eles juntos ficaram analisando comentários de posts sobre alguns programas do Multishow e GNT.

Teve de tudo. Gente que falou mal de alguns cantores que ganharam o Prêmio Multishow, da roupa dos convidados e de pessoas excêntricas encontradas no São Paulo Fashion Week a comentários que não tinham nem pontuação e nem sentido.

Fale conosco com Rodrigo Hilbert

Como não terminar essa lista com a presença mais aguardada desde que foi criado o Fale Conosco? Rodrigo Hilbert deu o ar da graça e fez a alegria de todo mundo (inclusive a minha!).

Mas neste episódio ele faz uma revelação que vai tirar um pouco a sua impressão de homem perfeito, envolvendo um dos doces preferidos de muita gente (muita gente mesmo!) e que ele não curte. Caiu só  0,01% no meu conceito, porque, né, é Rodrigo Hilbert. 😆

Teve até ligação para uma das pessoas que comentou sobre o seu programa Tempero de Família, que achei a coisa mais fofa ! 😍

Além desses episódios têm vários outros disponíveis no canal do GNT no YouTube. Para quem quiser acompanhar pela TV, o programa vai ao ar todo domingo às 22h.

Responda rápido: De onde você conhece Pedro Pondé?

A – da banda Scambo
B – da banda O Círculo
C – da minissérie Velho Chico
D – do programa Superstar
E – todas as respostas anteriores

Talvez você não saiba, mas todas as opções acima são válidas. Se você acompanha de perto o que rola de música boa nacional certamente já ouviu a voz desse baiano que subiu ao palco pela primeira vez aos 20 anos de idade, com tanta vergonha que sequer abriu os olhos enquanto cantava.  Ao tomar coragem para encarar a platéia cantando junto teve a epifania de sua vida: preciso disso para viver!

foto: reprodução

Seu primeiro trabalho foi com a banda Scambo no início do ano 2000 e resultou na gravação de três álbuns que tiveram grande aceitação do público. A banda em questão ganhou notoriedade na Bahia, sua terra natal, para então rapidamente passar a correr os palcos nacionais ao lado de bandas como Los Hermanos, Cidade Negra, O Rappa, Nação Zumbi, Marcelo D2, Inner Circle e outros grandes nomes da música.

Tudo corria bem até que em 2006 um desentendimento entre os integrantes e as exigências do mercado acabaram por fazer com que Pondé saísse da banda e forme com outros ex-integrantes a banda O Círculo que teve tempo breve de vida, mas também com boa recepção da mídia e mercado fonográfico.

Eis que em 2011 Pondé e seus antigos companheiros se reúnem, deixa os problemas de lado e o Scambo volta com tudo, permanecendo em atividade até o começo desse ano de 2017.

É certo de que muitos fãs não gostaram da segunda separação, mas dessa vez não existia desavença entre os integrantes e sim um desgaste natural de convivência e interesses, segundo o próprio Pedro.

E o interesse de Pedro agora é bem nítido, pelo menos é como ele define essa nova etapa de sua vida musical, agora em carreira solo, e com abordagens sonoras um pouquinho diferentes.

Lançado recentemente, o EP Licença (2017) possui 4 canções autorais e são elas a expressão máxima da redescoberta em que Pedro se encontra nesse momento.

foto: reprodução

O cantor vive momento único de compreensão e redescoberta de si mesmo e da música baiana e esse ‘estado de espírito’ o permite estar a todo momento aberto para criar, entender e receber as novas sonoridades do jeito que elas vierem. Sendo esse trabalho realizado de forma mais fácil ainda estando acompanhado por Ricardo Machado (bateria), Ênio (guitarra), Tatiana Trad (baixo) e Ângelo Canja Daltro (guitarra).

Ao Mar é uma canção muita da gostosa cantada ao violão com uma pegada mais voltada ao reggae, porém sem as marcantes características do gênero e numa versão acústica.

Sabe aquela música bacaninha que a gente gosta e elege para ser a primeira para aprender a tocar no violão?  Ao Mar poderia facilmente ser essa música.

”Meu amor
Se soubesse a força que me dá
Todo dia ao amanhecer
Eu me lembro tanto de você
Me dizendo tudo vai dar pé
Veja só a vida como é
Ela é feito o mar é de maré
Tudo vai se acertar
Uma hora vai”

Pausa é outro reggaezinho, mas dessa vez conta com um baixo dando forma ao som e com uma metaleira – discreta – composta por sax, trombone e trompete.

Se você não curte o gênero talvez não seja o melhor som para se familiarizar com o EP já que a música soa um pouco arrastada e acaba nos dando a sensação de ser maior do que realmente é.

Seu eu curti? Certamente!

Licença chega com synth, mellotron e com efeitos que deixam a musicalidade de Pondé mais dramática.
A letra tem tom de protesto e fala sobre a dificuldade em se manter a sanidade em meio ao medo que a cidade nos impõe e como ficamos reféns dessa situação uma vez que polícia e bandido são vistos igualmente como inimigos.

A levada de Pondé aqui é meio rap e funciona muito bem com o tom que a música sugere. Eu que sempre escuto coisas demais, o que não quer dizer que eu as invente, posso te garantir (mentira, não posso) que no meio desses efeitos de ‘Licença’ existe uma micro pegada de Chemical Brothers que por sinal é uma ótima banda e essa música que coloquei o link é boa demais.

Afinal de contas, quem não quer ver um Baiacu fazendo beatbox?

O Vento fecha o EP com a sonoridade mais complexa dentre as 4 canções e entrega em diferentes camadas as influências que o baiano carrega consigo e demonstra musicalmente.

Existe uma influência de rock e dub, esse segundo percebido pelo suave reverb na voz de Pondé, porém as distorções de guitarra, sons de vento e outros efeitos sonoros deixam a faixa menos ‘rotulável’ do que de costume, quase como se cada músico tivesse feito sua parte intuitivamente e depois uniram o material produzido, sendo Pondé a cola que faz com que essas partes façam sentido depois de unidas.

“Sinto um vento…
No meu rosto..
Vejo de onde estou.
A cidade.
As pessoas..
Seus segredos..
Ninguém é tão bom assim.
Ninguém é tão ruim assim.
Ninguém é perfeito.”

Pedro Pondé tem DNA baiano, mas seu som é desgarrado de regionalismos e por isso suas músicas e jeito de interpretá-las soam bem, não importando se ele se apresentará apenas com voz e violão ou se com banda e efeitos sonoros compondo a sonoridade de suas canções.

Vale conhecer mais sobre o cantor e seus trabalhos anteriores? Vale! Siga a fanpage dele aqui e depois é só correr pro abraço, mas ó…lembra de pedir Licença! 😉

Todrick Hall: #EuCurti

Bárbara Gaia

18 de setembro de 2017

Tem um  página no Facebook que eu curto chamada Rhythmic que é tipo um garimpo das melhores apresentações musicais que estão por aí nesse mundão chamado Internet. E numa dessas postagens teve uma apresentação feita por um artista chamado Todrick Hall, com uma releitura dos clássicos dos anos 90, que fiquei maravilhada e muito nostálgica (adolescência, saudades!).

Logo eu fui procurar mais vídeos como esse em seu canal do YouTube e continuei maravilhada a cada apresentação. Não só pelo talento vocal de Todrick como na criatividade em usar ele mesmo em 4 versões onde uma versão interage com a outra de forma muito natural. A sincronia é incrível!

Então fui conhecer mais sobre ele e olha, esse cara já fez muita coisa. Mas vamos do começo. Nascido no Texas, o cantor, dançarino, diretor, coreógrafo e YouTuber (ufa!) já demonstrava sua vocação para música e dança logo criança, nas aulas de balé.

Foto: facebook.com/toddyrockstar

Anos mais tarde, sua trajetória na carreira musical ganha destaque com sua participação no programa American Idol, em 2009. Ele ficou entre os Top 16 mas trouxe a visibilidade que ele precisava para  o crescimento de um novo projeto, criado 7 anos depois: seu canal no YouTube, que hoje já tá chegando em 3 milhões de inscritos.

Desde então ele já fez aparições em programas da MTV e no programa RuPaul’s Drag Race. Mas o maior destaque mesmo foi ele ter se juntado ao elenco do musical Kinky Boots, na Broadway, e mais recentemente como dançarino no último vídeo clipe da Taylor Swift para sua música Look What You Make Me Do.

Eu gostei muito da ideia dos vídeos que ele aparece em quatro versões. Além de mostrar seu talento como cantor, também mostra sua versatilidade como ator. E pelo que vi é o que a galera mais curte também porque esses são os videos com maiores visualizações. Para se ter uma ideia, o vídeo feito com as músicas da Beyoncé ultrapassou 12 milhões de visualizações.

Eu adoro ver a autonomia que a Internet trouxe para quem tem vontade de ir lá e fazer e Todrick percebeu esse poder e vem utilizando a seu favor nesses quase 10 anos de canal no YouTube. Para quem quiser conferir outros vídeos de Todrick Hall, é só clicar aqui.

Hector e a Procura da Felicidade: #EuVi

Bárbara Gaia

15 de setembro de 2017

Atualmente o Netflix além de ter se tornado minha fonte principal de séries está sendo também uma boa surpresa para filmes. Dias atrás assisti a um filme chamado Hector e a Procura da Felicidade.

foto: reprodução

É uma mistura de comédia e drama. Tem mais drama que comédia, confesso, mas não é daqueles dramas “pegue o lencinho e prepare-se para a cachoeira que vai sair dos seus olhos”. É mais um drama para refletir sobre a vida. Aquela refletida boa que você faz na rede olhando para as estrelas (esse é o meu jeito de refletir, não sei quanto ao seu. 😂).

Mas vamos à sinopse! Hector (interpretado pelo ator britânico Simon Pegg) é um psiquiatra que vive uma vida bem tranquila e pacata. Tem sua rotina quase que cronometrada, faz as mesmas atividades, os mesmos passeios. Até os passos de sua mulher (interpretada por Rosamud Pike que você deve conhecer por protagonizar o filme Garota Exemplar) são previsíveis.

foto: imdb.com

Até que um belo dia, durante uma sessão em seu consultório com uma paciente, ela disse que ele vive sim uma vida programada, seguindo um roteiro, e ao ler a sua mão a paciente diz que Hector está prestes a viver uma jornada transformadora. Ele não acredita muito mas fica incomodado com o que ela disse sobre viver uma vida programada.

Isso fica tanto na cabeça de Hector que ele começa a olhar as coisas em sua volta e constata que ela tem lá uma razão. E que essa vida regrada não está mais o fazendo feliz. Com isso decide fazer uma viagem em forma de pesquisa para descobrir o que é essa tal de felicidade para levar a  descoberta para seus pacientes.

Primeiro destino foi a China onde ele encontra um magnata que acha que a felicidade é ter dinheiro. Mas Hector percebe que a vida sempre atarefada desse homem e os lugares meio supérfluos que ele frequenta só por status não está o fazendo verdadeiramente feliz. Ele tem um caderninho dado por sua mulher, que não curte muito essa súbita mudança de seu marido, e faz sua primeira anotação: “Muitas pessoas só veem a felicidade no futuro”.

foto: imdb.com

Hector segue sua jornada passando por outros países, conhecendo outras pessoas, outras realidades e tudo que ele anota e encontra acaba também fazendo ele rever alguns conceitos. O que ele achava que seria uma viagem de pesquisa para o seu trabalho realmente o transforma. Mas claro que não vou contar o que acontece porque sou do time do “não spoiler”.

foto: imdb.com

Mas dá para salpicar umas frases para a gente também refletir um pouco sobre essa tal felicidade que todo mundo procura:

Felicidade é pessoal e instrasferível

Felicidade é ser amado por quem você é.

Medo é um obstáculo para a felicidade.

Felicidade é saber como celebrar.

Todos nós podemos ser felizes. Todos nós temos o direito de ser felizes. Todos nós temos a obrigação de sermos felizes.

foto: imdb.com

O filme tem uma boa narrativa e a história é bem contada, de forma que prende sua atenção do começo ao fim. Também dou destaque à atuação de Simon Pegg. Ele é bem conhecido pela comédia, em filmes como Heróis de Ressaca e Chumbo Grosso, mas nesse filme ele mostrou uma versatilidade impressionante para filmes mais intensos. Sua atuação é suave e complexa ao mesmo tempo, do jeito que você torce de verdade para a felicidade de Hector.

Para quem quiser assistir, vale muito a pena procura por Hector e A Procura da Felicidade, no Netflix.

Braza ANMD – Playlist #EuOuvi

Casé

13 de setembro de 2017

Hoje não tem review, mas…não quer dizer que não tenha música, por que se tem uma coisa que sempre rola do lado de cá é música, muita música, toda hora, o tempo todo, de todo tipo e a todo volume.

A proposta hoje é mais livre e aproximará a galera da época de ouro dos Acústicos MTV. A gente sabe que nem todo mundo tem a disposição de ir atrás dos artistas que são citados aqui e que graças a tecnologia, que atualmente ‘nada a braçadas largas’, o hábito de consumo musical mudou pra cacete.

Isso é ruim? Não sei!
É bom? Também não tenho essa resposta!

As gerações mais velhas ainda escutam rádio, consomem músicas da novela e pasme…passam horas do dia sem música alguma. Escutam os mesmos artistas, acham que o resto é porcaria e vivem de clássicos.
Já a galera mais nova quer streaming, playlist, streaming, playlist e se sobrar banda larga pode botar mais uma gotinha de streaminzinho pra jogo no smartphone que tá sussa.

Eu tô aqui engordando a lista do meio termo, escutando música no streaming, no celular, no computador e se você tiver uns vinis bacanas me chama que eu levo o vinho e o baralho!

A meu favor eu trago a paciência de quem escuta tudo esmiuçando os álbuns faixa a faixa, buscando referências, curiosamente comparando o som de hoje com o de décadas atrás e por sorte além das interwebs sempre recebo indicações dos meus lindos amigos espalhados nesse mundão sem porteira.

Criei uma playslist com ar saudoso pra tentar agradar o máximo de gente possível (mentira) dos tempos em que a MTV era conhecida por divulgar e produzir, acredite se puder, música!

Os caras resgataram um monte de gente boa dando um gás bacana na carreira dos que passavam por seus aguardados programas que precediam vendas exorbitantes de cds, dvds e turnês lindas!

foto: reprodução

Bom…a MTV se adaptou, a música foi ficando em segundo plano e por algum motivo, que não sei explicar, os Acústicos foram terminando gradativamente.

Eu catei tudo o que nosso amigo Spotify disponibiliza (falta coisa pacas ainda) e juntei numa playlist que entendo ser animada o suficiente pra ouvir em casa com os amigos enquanto você comenta coisas do tipo:

– Noooossa, essa música não escuto há tempos!
– Wow, esses caras ainda estão vivos?
– Porra, esse daí é muito som!

–  Ah, peraê…essa a gente tem que dançar, né?
– Ohh…Aumenta essa parada aí!

Sem mais delongas, taí a playlist delicinha e de nome estranho que vai te levar de volta ao século XX e te esfregar na cara que não existe Drake capaz de superar a malemolência musical de um Falamansa.

Se flopar a culpa é toda da Gaia, hein! 

(nota da Gaia: tenho certeza que essa playlist está looooooonge de ser flopada)

P.S: Segue essa bagaça e aproveita pra dar um feedback pro amiguinho!
P.S.2: Se você acha que essa playlist tem um nome zoado é porque você não viu as que eu não divulgo.
P.S3: Teremos uma arte tosca toda vez? Siiiiiiiim!

Redes Sociais

Bárbara Gaia

Aqui você vai encontrar tudo que tenho lido, visto, ouvido e curtido ultimamente. Dicas de livros, séries, filmes, músicas, lugares interessantes e mais. Seja bem-vindo(a) ao meu checklist! ;)